Paula Fernandes lança CD "Meus Encantos"
A cantora Paula Fernandes aparecerá assim na capa de seu novo disco, “Meus encantos”, que chega às lojas dia 29.

Release Cd - Paula Fernandes - Meus encantos

“Quando um trabalho é verdadeiro, há de acontecer algo, não importa o tempo que leve.
Acredito no sentimento, na composição, no poder da música e no processo de causa e efeito das coisas. Hoje me sinto mais forte e capaz de tocar minha lida. E se não for do jeito que sempre fiz, não vai ser eu”.

É com a confiança conquistada com muito trabalho e fortes emoções nos últimos anos, que Paula Fernandes se prepara para um importante momento de sua carreira. “Meus encantos”, seu sétimo CD, revela a Paula de hoje, completa, trazendo em cada uma das 15 canções um pedacinho da menina-mulher que o Brasil descobriu – e que não imagina o que ela guarda dentro de si.
Todas as músicas são inéditas. Algumas escritas recentemente, outras guardadas a dois, três, cinco anos; mas nada soa distante do universo que Paula vem apresentando em seus discos anteriores.
Todas as mensagens fazem sentido para ela, pois “há músicas que fazem parte do fluxo da vida”. “Algumas canções são novinhas, outras não envelhecem ou aguardavam seu momento de reaparecer.
Há sentimentos que duram vidas e vidas e eles estão aqui”, explica. Os temas abordados, parte do universo criativo de Paula, expressam sentimentos profundos de amor e amizade, o cotidiano das pessoas, a ligação com a terra e com o universo. “Meu trabalho é intuitivo e não me omito do processo criativo.
Não vou rotular, frear ou bloquear qualquer inspiração ou gênero musical que apareça neste momento de criação. As músicas acabam sendo parecidas porque vêm da mesma fonte, mas se diferenciam bem nos detalhes. As pessoas verão isso”, explica.
Por isso o nascimento de “Meus encantos” foi natural, algo que foi crescendo ao longo da última turnê. Paula e seu produtor musical, Márcio Monteiro, primaram pelos detalhes, arranjos e melodias sem se afastar da essência e buscando uma novidade no som. “Não encaro como ousadia porque não houve nenhuma tentativa de confronto musical. Apenas me permiti em alguns momentos experimentar mais. Me deixei brotar e tudo fluiu”.
A faixa que dá nome ao disco exemplifica isso. “Ela tem toques eletrônicos que trazem um novo ar mas não interferem na leveza da canção. O arranjo é mais espacial e a letra é mais aterrada”, sugere.
Irmã gêmea de nascimento de “Meus encantos (Nunca só)”, “Cuidar de mim”, abertura do disco, revela a coragem e o peito aberto da cantora.
Assim como sua personagem, Paula usa de garra e serenidade para tomar decisões e viver sem pudor de expor seus sentimentos.
De fato, as emoções movem a engrenagem do trabalho de Paula Fernandes. Através das músicas, ela descobriu desde nova que poderia sofrer, chorar ou sorrir. “Cantar o sentimento da forma mais simples é mágico para mim”. A frase com toque singelo ganha estatura de gigante quando se ouve músicas como “Eu sem você”, que rapidamente tomou o topo das paradas de rádio e vendas digitais em seu lançamento, a orquestral “Além da vida” ou ainda “Nunca mais eu e você”, com clima mais noir, que fala abertamente do sentimento exposto. “Esta música tem uma cor roxa para mim. Fala de algo forte, quando se é capaz de assumir uma perda ou encarar o ciúme, coisas que fazem parte da vida”.

O trabalho de Paula não segue apenas caminhos densos. Também refletem a luz do sol, o correr das águas e a alegria da vida do interior. “Mineirinha ferveu” e “Barco de papel” apontam para o ar. Leveza, alegria e um certo tom infantil pairam na vibração das músicas. “Elas cultivam um pouco minha aura meninamulher.

Me tornei quase que uma representante da vida no campo”, diz. A letra de “Mineirinha...”, escrita por Zezé Di Camargo e salpicada por Paula, traz um ar divertido para o disco. Assumindo a brejeirice, ela se permite ser boneca. Em um desabrochar contagiante dos versos do goiano e da sanfona de Sérgio Saraiva, Paula brinca sem vergonha e resgata o tempo perdido. “Adoro esta canção, mexer as cadeiras, sorrir, é uma musica que ferve; fala da vivência do interior, é solar e mostra a transformação de menina em mulher”. Já a romântica “Barco de papel”, com um ar mais retrô, leva as amigas para as pistas de dança. “Ela tem um lado mais infantil. Se fosse numa peça, penso na personagem ilhada num mar formado por suas lágrimas a espera do príncipe. Mas ela é alegre e tem um ritmo e dancinha que me divirto muito”, ri.
A levada mais dançante também marca “Se o coração viajar“, música da safra antiga que quase foi parar na voz de outros artistas, mas resgatada a tempo pela cantora. “Aos olhos do tempo”, dona de uma pegada mais pop rock e refrão pra cantar junto, é mais uma da família elétrica de Paula, porém com linhas e entrelinhas menos entusiasmadas, digamos assim. “Fazer uma música com balanço e movimento mas com letra profunda foi uma conquista para mim. Não é porque é animada que tem que ter letra vazia ou superficial”, diz Paula. Seguindo o ritmo pra cima mas voltando aos encontros e desencontros amorosos, “Na contramão” é acompanhada por uma forte presença do violão, e nasceu inteira de uma só vez, quando ela viajava de férias. “Fiquei ansiosa porque não tinha um violão na hora, mas não pude conter a letra, que é bem explícita“.

Paula Fernandes é assim. Intensa. Sem melodramas, ela sempre foi uma menina, adolescente e mulher muito afetiva, romântica, sonhadora. “Por mais que eu lide com a realidade, minha vontade é sempre expressar o que está mais dentro – O sorriso, a pureza ou até mesmo o amor, que é algo que não se explica com palavras“. Foi desta busca que nasceu “Versos de amor”, uma canção com cara de folk antigo, inspirada nos Eagles, com versos dilacerados tecidos sobre a dor.
O álbum “Meus encantos” tem apenas uma participação especial. O violão da introdução já indica o parceiro. Zé Ramalho, poeta e cancioneiro de outros sertões, percorre de mãos dadas com Paula a perfeita “Harmonia do amor”. “O Zé é uma pessoa muito especial para mim. Sempre fui fã de suas músicas e, quando nos conhecemos nos bastidores de um programa de tevê, falei que adoraria compor algo juntos. Ele topou na hora, trocamos contatos e logo ele me mandou essa letra. Fiz a música, o convidei para cantar comigo e o resultado é esse belezura de canção. Tenho muito orgulho dessa parceria. Agora tem uma letra minha com ele”, avisa Paula.
Continuando nas entranhas da terra, “Céu vermelho” enraíza o trabalho de Paula Fernandes e pede a bênção para continuar. “É minha canção velha, com viola, violão, sanfona, muito delicada.
Estava a fim de fazer uma canção antiga, mas ao invés de regravar um sucesso clássico, resolvi escrever minha própria modinha em forma de toada. É meu xodó”, diz.
Os duetos que foram incluídos como faixas bônus no disco são frutos de experiências vitoriosas recentes: o sucesso “Long live”, com a vencedora do Grammy Taylor Swift, e a encantadora “Hoy me voy”, ao lado do popstar latino Juanes. Em ambas, Paula escreveu sua versão da letra em português. Os cabelos
anelados e o estilo country não são as únicas semelhanças entre Paula e Taylor.
Cantoras e compositoras donas de seu próprio nariz, repertório, num misto de delicadeza e atitude, as duas conduzem suas carreiras com cuidado e bastante aproximação com o público.“Sempre gostei do trabalho da Taylor e esta parceria foi um acontecimento na minha vida; ela é muito cuidadosa e prudente e até difícil topar duetos. Fiquei muito satisfeita com o resultado porque mexer numa música que já era completa era um desafio, e melhor ainda foi saber que ela adorou a versão final”, diz.
Os versos em português de “Hoy me voy” também saíram de uma tacada só. O encontro com Juanes em Miami durante a gravação do MTV Unplugged do artista é algo que vai ficar marcado para sempre na memória da brasileira. “Ele é uma das pessoas mais lindas que já conheci. Simples, humilde, até estranhei sua timidez diante do fenômeno que ele é no mundo. A música me encantou de cara e aquela gravação num país diferente foi um momento inesquecível para mim”.
Não é uma mensagem quadrada; ela envolve sutilmente. O que faço flui de mim, sãos as verdades que fui descobrindo com o tempo. Fico muito feliz em ver as pessoas se identificando e o resultado que trouxe para nossas vidas”.

“Meus encantos” chega às lojas rodeado de expectativas após a marca histórica de 1,7 milhões de cópias vendidas de seu antecessor, o CD e DVD “Paula Fernandes Ao Vivo”. A cantora, porém, procura não se deixar afetar pelas cobranças. É um momento de continuidade. De levar adiante tudo que plantou e colheu com suas inspirações mais íntimas e trabalho árduo. “Não consigo ver a música como um produto comercial, não cultivo isso. Estou sempre envolvida em meu universo poético e não me conecto com as coisas superficiais. A arte me envolve e quanto menos eu racionalizar melhor. Não vou me cansar de criar.
Construir algo útil para o mundo é a essência de tudo”. E é assim que Paula mostra seu novo trabalho. Sem inventar nada, ela se concentra apenas em ser – e emocionar, seu grande dom.
Kélita Myra
Maio de 2012

Ficha técnica de “Meus encantos”:
Uma produção Universal Music dirigida por Márcio Monteiro.

Faixas do CD:
1. Cuidar Mais De Mim/ 2. Se O Coração Viajar
3. Eu Sem Você/ 4. Harmonia Do Amor - Part.: Zé Ramalho
5. Céu Vermelho/ 6. Mineirinha Ferveu
7. Na Contramão/ 8. Além Da Vida
9. Meus Encantos/ 10. Nunca Mais Eu E Você
11. Barco De Papel/ 12. Aos Olhos Do Tempo
13. Versos De Amor/ 14. Hoy Me Voy - Part.: Juanes
15. Long Live - Part.: Taylor Swift

Universal Music Brasil - Depto de Imprensa
Kélita Myra/ Mariana Dresch/Hercilia Castro (Bribba)
Assessoria de Imprensa Talismã - Amanda Ferro
www.universalmusic.com.br

 
Divulgue o seu artista, seus produtos, sua festa de peão, sua balada em nosso canal
COUNTRY CLUB TV
Entre em contato conosco!
 
 

Country Club Brasil ©2006 - Todos os direitos resevados